Fev
12

Visita domiciliar: Denise Santos

Bom humor é uma característica fácil de perceber em Denise Santos. A jovem, de 20 anos, é dedicada aos estudos, faz dois cursos técnicos, um deles o de Comunicação Social do projeto Um Olhar Para a Cidadania. Ela recebeu nesta quinta-feira (12) a visita da monitora Milena Andrade. O encontro domiciliar busca conhecer melhor a realidade daqueles beneficiados pelo Projeto.

Denise perdeu a visão aos 10 anos por causa de uma meningite. Como muitos jovens, ela adora navegar pela Internet, mas lamenta por muitos sites não serem acessíveis. Isso não a impede de desbravar o mundo virtual e sonhar com uma boa qualificação profissional. Denise quer ampliar seus conhecimentos para conquistar um emprego e ajudar seus pais nas despesas domésticas.

A jovem diz que se identificou muito com o curso de Comunicação Social. “Esse curso faz com que nós crescemos não só na área da educação, mas principalmente como pessoas. Eu vejo que é um meio de crescimento e oportunidade para abrirem portas pra mim”, afirmou Denise. 

Fev
12

Entidades apresentam proposta de Selo Empresa Acessível para Teresina

Desde outubro de 2013, instituições que representam os direitos da pessoa com deficiência, planejam uma proposta de título às empresas que exercem práticas de acessibilidade. Falta pouco para o ‘Selo Empresa Acessível’ se tornar realidade em Teresina. O decreto que institui a certificação está redigido, aguardando assinatura do prefeito.

O ‘Selo Empresa Acessível’ é uma iniciativa do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência (CONADE-TE), juntamente com o Instituto Comradio do Brasil, através do Projeto Um Olhar Para a Cidadania, e Secretaria Municipal do Trabalho, Cidadania e Assistência Social (Semtcas). Também apóiam a ideia os conselhos de Arquitetura e Urbanismo (CAU), Engenharia e Agronomia (CREA) e de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (CREFITO).

A certificação é valida para empresas dos ramos de serviço, indústria e comércio, instaladas na capital piauiense, e busca valorizar as organizações que respeitam e promovem a acessibilidade nos seus ambientes e empregam pessoas com deficiência. Para concorrer ao Selo, a empresa se cadastra para receber uma visita da comissão certificadora, que avalia diversos critérios. As inscrições acontecem na sede da CONADE-TE, localizada na Rua Álvaro Mendes, 861, Ed. Clemente Fortes, Térreo, Centro/Norte, Teresina-PI.

Nov
24

Alunos visitam Sistema Clube de Comunicação

Os alunos do projeto Um Olhar Para a Cidadania visitaram na última sexta-feira (21 nov.) o prédio da TV Clube (afiliada da Rede Globo). Na ocasião eles também estiveram nas rádios AM e FM do mesmo Sistema de Comunicação, onde participaram de um programa ao vivo.

Na TV, os alunos conheceram os estúdios e equipamentos dos programas televisivos. Os beneficiados também conversaram com profissionais do vídeo e puderam conhecer melhor as funções que podem exercer numa veículo de comunicação.

Jan
12

“O projeto, para mim, representa uma abertura maior para o mundo”

Marcos Barbosa, mais conhecido como Marquinhos, é aluno da segunda turma do projeto Um Olhar Para a Cidadania. O jovem sempre foi interessado por comunicação e diz que a oportunidade que teve com o Projeto lhe permitiu o aperfeiçoamento de seus conhecimentos, além de exercer na prática o encanto do rádio. “Foi uma experiência muito boa. Melhorou minha desenvoltura, fiz novas amizades e aumentou muito nossa interação com outras pessoas com deficiência visual”, afirma.

Marquinhos diz que cotidianamente vivencia situações onde aplica algo que aprendeu em sala de aula. Para ele, o curso lhe auxiliou no modo de se expressar. “O projeto, para mim, representa uma abertura maior para o mundo. Uma abertura de oportunidade. E é uma maneira que nós, pessoas com deficiência, temos de colocar as nossas demandas, as nossas necessidades em pauta. Uma coisa que achei interessante na proposta do curso foi a de incentivar a gente a procurar ser protagonista da nossa causa. Para ser ativo, ser autônomo na busca das nossas necessidades, da nossa inclusão”, declara.

O jovem foi alfabetizado, enxergando, na escrita em tinta. Quando perdeu a visão aos 12 anos teve que recomeçar e aprender o braile, a andar só e retomar os estudos. Marquinhos tem curso técnico em administração e atualmente estuda Licenciatura Plena em Geografia na Universidade Federal do Piauí. Mesmo com a estima elevada, ele questiona o preconceito, a falta de acessibilidade e de oportunidades. “O mercado de trabalho e a prestação de serviços em Teresina ainda tem muito a desejar e a gente pode provocar uma discussão sobre isso pra que as pessoas tomem consciência e não queiram resolver só pelo favor, mas por uma questão de consciência, de cidadania”, diz. 

Dez
19

Piquenique marca encerramento das atividades de 2014

A manhã desta sexta-feira, 19 de dezembro, foi marcada por descontração e boas gargalhadas. Encerrando as atividades de 2014 do Projeto Um Olhar Para a Cidadania, os alunos se confraternizaram em piquenique realizado no Parque Potycabana, zona leste de Teresina.

Durante o encontro, todos compartilharam as experiências que já adquiriram até o momento no curso técnico em rádio. “Deste curso levo três coisas especiais: alegria, conhecimento e experiência. Alegria de conhecer muita gente boa, muita gente inteligente. Os conhecimentos na área de fonoaudiologia, teatro, rádio, tem me ajudado muito porque aprendo coisas novas. E experiência de poder conviver com pessoas que tem minha mesma deficiência, que eu não tinha ainda a oportunidade de poder conviver com eles e agora estou tendo”, disse Ângelo Rafael Pereira.

As aulas desta turma continuam em 2015. O Projeto Um Olhar Para a Cidadania é uma realização do Instituto Comradio do Brasil, com apoio da Faculdade Santo Agostinho, Instituto Cooperforte e OI Futuro.

Dez
17

Peça ‘Coisas de Cego’ aborda preconceito sofrido por pessoas com deficiência visual

Em comemoração ao Dia do Cego, 13 de dezembro, os alunos do Projeto Um Olhar Para a Cidadania apresentaram, na Faculdade Santo Agostinho, a peça ‘Coisas de Cego’, que retrata diversas situações envolvidas por tabus e preconceitos, buscando provocar uma reflexão sobre o contexto social no qual o cego está inserido e se relaciona.

A peça produzida durante o módulo ‘A arte do corpo’, ministrado pela professora de teatro Norma Sueli. “O som, a imagem e a palavra são as três categorias da vida que trabalhamos no Teatro. A peça trata da forma com que as pessoas que enxergam, veem as pessoas com deficiência visual”, explica Norma.

Durante o evento, a Faculdade Santo Agostinho e o Instituto Comradio do Brasil assinaram convênio que chancela a parceria das instituições no Projeto Um Olhar Para a Cidadania.Por meio deste convênio, a instituição de ensino disponibilizará a estrutura física da para a realização do curso para pessoas com deficiência visual. Além da faculdade, o projeto também tem apoio do Instituto Cooperforte e da Oi Futuro.

A Diretora Geral da FSA, professora Yara Lira destacou a importância da parceria para a faculdade: “esse é um projeto de trabalhar o nosso próximo. É um prazer enorme fazer esse convênio com a Comradio e estamos recebendo cada um com grande carinho e procurando ajudar cada um a ser incluído profissionalmente na sociedade, para colaborar para uma vida melhor para todos”, comentou a diretora.

Para o coordenador do projeto “Um olhar para a cidadania”, Jessé Barbosa, é impressionante como as pessoas com deficiência visual se desenvolvem bem com o rádio: “Sempre me chamou atenção como as pessoas com deficiência visual se desenvolvem bem com o rádio, porque o rádio também é cego. Quando a gente ouve o rádio, ninguém está vendo a pessoa que está falando”, pontua.

Também estiveram presentes no evento o conselheiro do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Piauí – CREA PI, Dorival Mendes, e Janilton Marques, representante da Associação dos Cegos do Piauí – ACEP, que ressaltou a contribuição do projeto para a formação da pessoa com deficiência.

Nov
24

Fonoaudióloga ensina exercícios para cuidar bem da voz

O módulo ‘A voz’ do Projeto Um Olhar Para a Cidadania, aconteceu nos dias 14 e 21 de novembro, na Faculdade Santo Agostinho. Durante as aulas, ministradas pela fonoaudióloga Mayanna Magalhães,os alunos aprenderam exercícios para aquecer e desaquecer a voz antes e depois dos programas de rádio, produzidos e executados pelos próprios alunos.

Na continuação do módulo a fonoaudióloga fez um acompanhamento pessoal com cada aluno identificando a melhor forma de utilização da voz e ajudou ainda na gravação dos programas de rádio.

O Projeto Um Olhar Para a Cidadania é uma realização do Instituto Comradio do Brasil, com apoio da Faculdade Santo Agostinho, Instituto Cooperforte e OI Futuro.

Jan
06

Cotidiano das pessoas com deficiência visual é tema de peça teatral

Entender como o teatro pode contribuir para a atuação na área de comunicação foi o assunto abordado no Módulo ‘O Corpo Fala’, ministrado pela jornalista e professora de teatro Norma Soely. As aulas aconteceram nos dias 28 de novembro e 5 de dezembro. Durante o encontro, os alunos aprenderam a criar e organizar histórias, escolher elenco e dirigir peças teatrais.

Como prática do módulo os alunos farão uma apresentação teatral, no dia 12 de dezembro, em evento da Faculdade Santo Agostinho relacionado a acessibilidade. O evento também marcará a comemoração ao dia do cego (13 de dezembro). O roteiro da peça 'Coisas de Cego' busca exemplificar a convivência entre as pessoas com visão e pessoas com deficiência visual. 

Foram os próprios alunos quem escolheram o nome da peça, decidiram o figurino e ensaiaram as cenas. Para 2015, existe um projeto para levar a peça para as escolas piauienses e adaptar o roteiro para  uma radionovela. 

Nov
12

Alunos gravam programas sobre direitos humanos

Em Teresina, a 9ª Mostra Cinema e Direitos Humanos no Hemisfério Sul acontece gratuitamente nos dias 17 a 22 de novembro, no Teatro do Boi, zona norte da capital. o Instituto Comradio apóia o evento por meio do Projeto Um Olhar Para a Cidadania. Durante a mostra, os alunos do projeto vão assistir os filmes com áudio descrição e gravar programas sobre as temáticas discutidas.

Inspirado nos 50 anos do golpe civil-militar, a 9ª Mostra traz também outros debates acerca dos direitos humanos, com filmes que abordam temas como população LGBT e enfrentamento da homofobia, questões culturais e territoriais da população indígena, direitos da pessoa com deficiência, entre outros. As sessões serão: “Mostra Competitiva”, “Mostra Memória e Verdade”, “Mostra Homenagem Lúcia Murat” e “Sessão Inventar com a Diferença”.

A 9ª Mostra exibe ao todo 41 filmes, todos com sistema closed caption e sessões que incluem audiodescrição, voltadas para pessoas com deficiência visual. A realização é da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), em parceria com o Ministério da Cultura (MinC) e a Universidade Federal Fluminense (UFF), com o apoio da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e Fundação Euclides da Cunha, além do patrocínio da Petrobras e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A “Mostra Memória e Verdade” é uma das exibições voltadas ao golpe de 1964, abordando questões sobre a ditadura e os contornos políticos do período. Os documentários “Setenta” (2013), de Emilia Silveira Brasil, e “Cabra Marcado para Morrer” (1984), de Eduardo Coutinho, estão entre as escolhas da curadoria.

A novidade que o evento traz em 2014 são filmes produzidos não só na América do Sul, como nos outros anos, mas também em países do Hemisfério Sul, como Egito e Jordânia. A “Mostra Competitiva”com 24 longas, médias e curtas-metragens, em que as plateias elegem os melhores filmes através de votação popular, é destaque na programação, assim como a “Sessão Inventar com a Diferença”. Esta sessão exibe filmes-carta produzidos por alunos de escolas públicas do país que participaram do projeto “Inventar com a Diferença”, que levou cinema e direitos humanos para cerca de 300 escolas no primeiro semestre de 2014. O documentário “Pelas Janelas”, produzido por alunos da UFF a respeito do Inventar, também ganhará primeira projeção pública na sessão.